Empreendimentos da Ink atraem antenados em tendências

tendências

A vocação da INK em desenvolver empreendimentos que conversem com a cidade, aliando design contemporâneo, segurança e outros fatores, ganharam destaque no espaço da especialista em tendências de consumo, lifestyle e mercado de luxo Angela Klinke.

Em sua coluna, Angela escreve sobre o que encontra de melhor sobre negócios, produtos e serviços, lifestyle, inspirações e inovações e, nela (entre várias outras coisas), o Tetrys Pompeia chamou a atenção por agradar tanto jovens, quanto idosos e o Vila Olímpia (nosso futuro lançamento), destacou-se pelas plantas flexíveis e amplas janelas que permitem a autenticidade e o acolhimento.

“É o conceito que atrai pessoas diferentes com interesses comuns, como, por exemplo, a praça urbana na frente, que dá transparência e privacidade ao mesmo tempo. Ou seja, traz segurança sem precisar de uma cerca elétrica ostensiva. É integrador, diz Gabriela Coelho, sócia da Ink

Confira na íntegra o texto da Angela abaixo:

Imóvel de alto padrão precisa significar mais

O termo “alto padrão” não dá conta sozinho das novas exigências dos consumidores. Os fundadores da “incorporadora-butique” INK preferem trabalhar no mercado com o conceito de “acupuntura urbana”. Ou seja, conceber “produtos precisos” para usuários cada vez mais “complexos” e em sintonia com a cidade.

“Escolhemos terrenos em áreas consolidadas, com potencial de valorização. E montamos nossos times para a concepção do projeto em função da vocação do espaço, perfil do público e da região. Fazemos empreendimentos customizados para deixar um legado para cidade e não mais um objeto no bairro”, diz Gabriela Coelho, sócia da INK.

O Tetrys, no bairro da Pompeia, em São Paulo, projetado pelo escritório FGMF, por exemplo, agradou tanto jovens quanto idosos que moram sozinhos. “É o conceito que atrai pessoas diferentes com interesses comuns, como, por exemplo, a praça urbana na frente, que dá transparência e privacidade ao mesmo tempo. Ou seja, traz segurança sem precisar de uma cerca elétrica ostensiva. É integrador.”

Como a segurança é um fator de decisão de compra assim como o design contemporâneo, o projeto arquitetônico, paisagístico e o de monitoramento remoto do edifício foram trabalhados de forma integrada desde o “momento zero”. “Isso nos permite oferecer produtos sofisticados e inovadores com preços compatíveis com a concorrência.” O metro quadrado custa em média R$ 12 mil.

Na Vila Olímpia, por exemplo, vão lançar não um edifício, mas “10 casas únicas suspensas e exclusivas” com projeto da Tripityque (foto). As plantas são flexíveis e com amplas janelas para permitir a autenticidade e o acolhimento.

No período que antecede a obra, a incorporadora transforma o terreno vazio em um ponto de encontro para a vizinhança. Na Pompeia, por exemplo, desenvolveram oficinas de hortas orgânicas. Na Vila Olímpia terão parcerias com outras marcas para fazer o “Ink na Cidade”, uma programação cultural e artística.

“Esta é uma forma de se inserir de forma relevante no bairro. Sabemos que 70% das pessoas que compram um apartamento estão em média a três quilômetros do empreendimento.”

Como os conceitos são novos, a INK trabalha com uma equipe própria de corretores que passou por treinamento bem “conceitual”. Não, eles não vão destacar “a qualidade do mármore” como o principal atributo quando venderem os produtos da INK.

Escrito por: Editor Ink